sábado, 3 de novembro de 2018

Feira do Livro


Livro do mês de novembro: "Casa de espiões", Daniel Silva


Quatro meses após o maior ataque que aconteceu em solo americano, desde o 11 de Setembro, os terroristas deixam uma esteira de morte no West End de Londres.
O atentado é um feito de planificação e levado a cabo em perfeito segredo. Mas tem uma única falha.
Essa ponta solta levará Gabriel Allon ao sul de França, decidido a apanhar o terrorista mais perigoso do mundo, o escorregadio cérebro do ISIS conhecido como Saladino.





Daniel Silva foi jornalista e trabalhou para a UPI, primeiro em Washington e depois no Cairo, como correspondente para o Médio Oriente. Nesse período cobriu diversos conflitos políticos e a guerra Irão-Iraque. Conheceu a sua mulher, correspondente da NBC, e regressaram aos Estados Unidos, onde Daniel Silva foi produtor da CNN durante vários anos, tendo sido responsável por alguns programas muito populares, como Crossfire, The International Hour e The World Yoday, entre outros. Em 1997, logo após o êxito do seu primeiro livro, The Unlikely Spy, Daniel Silva resolveu dedicar-se por completo à escrita, tendo entretanto publicado diversos best-sellers mundiais.
O Washington Post coloca-o «entre os melhores jovens autores norte-americanos de literatura de espionagem» e é com frequência comparado a Graham Greene e a John Le Carré. Vive em Washington D. C., com a mulher e dois filhos.

Poema do mês de novembro


O valioso tempo dos maduros

Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui
para a frente do que já vivi até agora.
Tenho muito mais passado do que futuro.
Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas…
As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam
poucas, rói o caroço.
Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados.
Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram,
cobiçando seus lugares, talentos e sorte.
Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir
assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar
da idade cronológica, são imaturos.
Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo
de secretário geral do coral.
‘As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos’.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência,
minha alma tem pressa…
Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana,
muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com
triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua
mortalidade,
Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade,
O essencial faz a vida valer a pena.
E para mim, basta o essencial!

Mário de Andrade

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Poema do mês de outubro: "Outono", de Miguel Torga


Outono


Tarde pintada
Por não sei que pintor.
Nunca vi tanta cor
Tão colorida!
Se é de morte ou de vida,
Não é comigo.
Eu, simplesmente, digo
Que há fantasia
Neste dia,
Que o mundo me parece
Vestido por ciganas adivinhas,
E que gosto de o ver, e me apetece
Ter folhas, como as vinhas.

Miguel Torga

Livro do mês de outubro: "Sete janelas com vista para a morte", de Miguel Miranda


Edviges Stout é uma mulher frágil e doente, que dirige com mão de ferro o Grupo Azygus, uma instituição financeira cujos lucros se destinam a filantropia - o que pode ser uma fachada para negócios obscuros. Suspeita que alguém a quer matar e, para o impedir, contrata o detetive Mário França, o maior detetive do mundo, com escritório no Porto, no Muro dos Bacalhoeiros.
Vencedor do Prémio Caminho de Literatura Policial, finalista do Prémio Violeta Negra do Festival de Literatura Policial de Toulouse, Sete Janelas Com Vista Para a Morte é o maior desafio da carreira do detetive Mário França.





Miguel Miranda percorre vários géneros literários, entre o conto, o policial e o romance. Obteve vários prémios literários, como o Grande Prémio do conto APE, o Prémio Caminho de Literatura Policial, e o Prémio Fialho de Almeida, em duas edições. Foi finalista do Prémio PEN de Narrativa e do Prémio Violeta Negra do Festival de Literatura Policial de Toulouse. Está traduzido e editado em Itália e sobretudo em França, onde tem tido destaque.
Sete Janelas com Vista para a Morte é o seu segundo livro na Marcador Editora, seguindo-se a Demasiado Mar para Tantas Dúvidas.


segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Poema do mês de setembro: Aproveita o dia, de Walt Whitman


Aproveita o dia,
Não deixes que termine sem teres crescido um pouco.
Sem teres sido feliz, sem teres alimentado teus sonhos.
Não te deixes vencer pelo desalento.
Não permitas que alguém te negue o direito de expressar-te, que é quase um dever.
Não abandones tua ânsia de fazer de tua vida algo extraordinário.
Não deixes de crer que as palavras e as poesias sim podem mudar o mundo.
Porque passe o que passar, nossa essência continuará intacta.
Somos seres humanos cheios de paixão.
A vida é deserto e oásis.
Nos derruba, nos lastima, nos ensina, nos converte em protagonistas de nossa própria história.
Ainda que o vento sopre contra, a poderosa obra continua, tu podes trocar uma estrofe.
Não deixes nunca de sonhar, porque só nos sonhos pode ser livre o homem.
Não caias no pior dos erros: o silêncio.
A maioria vive num silêncio espantoso. Não te resignes, e nem fujas.
Valorize a beleza das coisas simples, se pode fazer poesia bela, sobre as pequenas coisas.
Não atraiçoes tuas crenças.
Todos necessitamos de aceitação, mas não podemos remar contra nós mesmos.
Isso transforma a vida em um inferno.
Desfruta o pânico que provoca ter a vida toda a diante.
Procures vivê-la intensamente sem mediocridades.
Pensa que em ti está o futuro, e encara a tarefa com orgulho e sem medo.
Aprendes com quem pode ensinar-te as experiências daqueles que nos precederam.
Não permitas que a vida se passe sem teres vivido…

Walt Whitman

Livro do mês de setembro: Boneca de trapos, de Daniel Cole


O teu nome está na lista. Conseguirás salvar-te?
William Fawkes, um controverso detetive conhecido por «Wolf», acabou de ser reintegrado no seu posto após ter sido suspenso por agressão a um suspeito. Ainda sob avaliação psicológica, Fawkes regressa ao ativo, ansioso por um caso importante. Encontra-se com a sua antiga colega e amiga, a inspetora Emily Baxter, num local de crime e tem a certeza de que é aquele o grande caso: o corpo que encontram é formado pelos membros de seis vítimas, suturados de modo a formar uma marioneta, que ficou conhecida como «Boneca de Trapos». Fawkes é incumbido de identificar as seis vítimas, mas tudo se complica quando a sua ex-mulher, que é repórter, recebe uma carta anónima com fotografias do local do crime, acompanhada de uma lista na qual constam os nomes de seis pessoas e as datas em que o homicida tenciona assassiná-las. O último nome da lista é o de Fawkes. A sentença de morte com data marcada desperta as memórias mais sombrias de Wolf. O detetive teme que os assassinatos tenham mais a ver com ele — e com o seu passado — do que qualquer um possa imaginar.

Aos 33 anos, Daniel Cole já trabalhou como paramédico, foi oficial da Real Sociedade Protetora dos Animais e membro da Guarda Costeira Real, sempre imbuído do desejo de salvar pessoas — ou talvez movido pela culpa de ter matado tantas personagens nos seus textos. Boneca de Trapos, o seu primeiro romance, escrito originalmente como piloto para uma série de TV, é um bestseller internacional e, logo nos primeiros dias após o lançamento no Reino Unido, Itália, Alemanha, França e Holanda, alcançou as principais listas de mais vendidos. Será publicado em 32 países e foi também finalista do prémio CWA John Creasy Award para primeiro romance, o prémio britânico mais prestigiado para thrillers.

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Livro do mês de junho: “O rapaz dos blocos”, de Keith Stuart


Alex, o pai: quer estar perto do filho, mas não consegue compreendê-lo. Algo tem de mudar.
Sam, o filho, de oito anos: cativante, surpreendente, autista. Para ele, o mundo é um enorme quebra-cabeças que não consegue resolver sozinho. Porém, quando Sam começa a jogar Minecraft, abre-se a porta para as descobertas que tanto o filho como o pai irão fazer acerca de si mesmos e da sua difícil relação. Pode uma família fragmentada voltar a ser construída, até se reunir outra vez?

Inspirada pelas experiências do autor com o seu filho, O Rapaz dos Blocos é uma singular história de amor e resiliência, uma moderna epopeia familiar.

«O Rapaz dos Blocos não é apenas construído através de um grande enredo, mas também com um enorme sentido de honestidade e descoberta. Mostra como o autismo não precisa de ser algo secreto e isolado, sendo antes uma condição que ilumina as partes mais fundamentais da nossa humanidade.» | The Guardian
«Este é um livro que se lê maravilhosamente e dá para ver que será um de muitos romances formidáveis de Keith Stuart. Mostra-nos, de forma inteligente, a passagem do mundo infantil para o mundo dos adultos, e oferece ao leitor uma explicação clara da importância de ambos.» | Huffington Post
«Até os corações mais empedernidos irão ficar mais suaves com esta história comovente, baseada na vida do autor com o seu filho autista.» | Mail on Sunday
«Trata-se de um romance terno, maravilhoso e cheio de revelações sobre a família, a amizade e o amor.» | Daily Mail

Keith Stuart, autor de O Rapaz dos Blocos, é o editor de videojogos no The Guardian. Começou como jornalista e depois chefe de redação na influente revista Edge, antes de se tornar freelancer no ano 2000 para acompanhar a cultura dos videojogos para publicações como The Official PlayStation Magazine, PC Gamer e T3. Também escreve sobre música, cinema e media para o The Guardian.

Poema do mês de junho: Sociedade


Sociedade


O homem disse para o amigo:
— Breve irei a tua casa
e levarei minha mulher.

O amigo enfeitou a casa
e quando o homem chegou com a mulher,
soltou uma dúzia de foguetes.

O homem comeu e bebeu.
A mulher bebeu e cantou.
Os dois dançaram.
O amigo estava muito satisfeito.

Quando foi hora de sair,
o amigo disse para o homem:
— Breve irei a tua casa.
E apertou a mão dos dois.

No caminho o homem resmunga:
— Ora essa, era o que faltava.
E a mulher ajunta: — Que idiota.

— A casa é um ninho de pulgas.
— Reparaste o bife queimado?
O piano ruim e a comida pouca.

E todas as quintas-feiras
eles voltam à casa do amigo
que ainda não pôde retribuir a visita.

Carlos Drummond de Andrade, in 'Alguma Poesia'

terça-feira, 1 de maio de 2018

Livro do mês de maio: "Pecados Santos" de Nuno Nepomuceno


Nas comunidades judaicas de Londres e Lisboa, ocorre uma série de homicídios, todos eles recriando episódios bíblicos. Atos bárbaros de antissemitismo ou de pura vingança? Um rabino é encontrado morto numa das mais famosas sinagogas de Londres. O corpo, disposto como num quadro renascentista, representa o sacrifício do filho de Abraão, patriarca do povo judeu. O caso parece ficar encerrado quando um jovem professor universitário a lecionar numa das faculdades da cidade é acusado do homicídio. Descendente de portugueses, existem provas irrefutáveis contra si e nada poderá salvá-lo da vida na prisão.
 Mas é então que ocorrem outros crimes, recriando episódios bíblicos em circunstâncias cada vez mais macabras. E as dúvidas instalam-se. Estarão ou não estes acontecimentos relacionados? Poderá o docente vir a ser injustamente condenado? Porque insistirá a sua família em pedir ajuda a um antigo professor, ele próprio ainda em conflito com os seus próprios pecados? As autoridades contratam uma jovem profiler criminal para as ajudar a descobrir a verdade. Mas conseguirá esta mente brilhante ultrapassar o facto de também ela ter sido uma vítima no passado? Abordando temas fraturantes da sociedade contemporânea como o antissemitismo e o conflito israelo-árabe, e inspirando-se nos Dez Mandamentos e noutros episódios marcantes do Antigo Testamento, Pecados Santos guia-nos através das ruas históricas de Londres, Lisboa e Jerusalém, numa viagem intimista e chocante sobre o que de mais negro e vil tem a condição humana.

Nuno Nepomuceno nasceu em 1978, nas Caldas da Rainha. É licenciado em Matemática pela Universidade do Algarve e reside na região Oeste.
Em 2012 venceu o Prémio Literário Notel com O Espião Português, o seu primeiro romance. Seguiram-se A Espia do Oriente e A Hora Solene, com os quais concluiu a trilogia Freelancer, ambos publicados em 2015, o mesmo ano em que integrou a coletânea Desassossego da Liberdade com o conto «A Cidade».
Em 2016 lançou A Célula Adormecida, o primeiro thriller psicológico da carreira.
Já foi nº 1 do top de vendas de livros policiais em lojas como a Fnac, Bertrand, Wook e Amazon.

Poema do mês de maio: "Mãe"


Mãe

Conheço a tua força, mãe, e a tua fragilidade.
Uma e outra têm a tua coragem, o teu alento vital.
Estou contigo mãe, no teu sonho permanente na tua esperança incerta
Estou contigo na tua simplicidade e nos teus gestos generosos.
Vejo-te menina e noiva, vejo-te mãe mulher de trabalho
Sempre frágil e forte. Quantos problemas enfrentaste,
Quantas aflições! Sempre uma força te erguia vertical,
sempre o alento da tua fé, o prodigioso alento
a que se chama Deus. Que existe porque tu o amas,
tu o desejas. Deus alimenta-te e inunda a tua fragilidade.
E assim estás no meio do amor como o centro da rosa.
Essa ânsia de amor de toda a tua vida é uma onda incandescente.
Com o teu amor humano e divino
quero fundir o diamante do fogo universal.

António Ramos Rosa, in 'Antologia Poética'

sábado, 14 de abril de 2018

Poema do mês de abril: Crucificada


Amiga... noiva... irmã... o que quiseres!

Por ti, todos os céus terão estrelas,
Por teu amor, mendiga, hei de merecê-las,
Ao beijar a esmola que me deres.

Podes amar até outras mulheres!
- Hei de compor, sonhar palavras belas,
Lindos versos de dor só para elas,
Para em lânguidas noites lhes dizeres!

Crucificada em mim, sobre os meus braços,
Hei de poisar a boca nos teus passos
Pra não serem pisados por ninguém.

E depois... Ah! depois de dores tamanhas,
Nascerás outra vez de outras entranhas,
Nascerás outra vez de uma outra Mãe!

Florbela Espanca, in "Charneca em Flor"

Livro do mês de abril: O Fiel Jardineiro, de John le Carré


O livro conta a história de Justin Quayle, um diplomata inglês e jardineiro amador nas horas vagas. Justin e sua mulher, Tessa, vivem na África. Durante uma missão misteriosa, a jovem inglesa é assassinada brutalmente perto do Lago Trukuna, no norte do Quénia. O seu companheiro de viagem, um médico que trabalha em ONGs internacionais, desaparece da cena do crime sem deixar vestígios. Justin parte numa odisséia pessoal à procura dos responsáveis pelo assassinato e da verdadeira história de sua própria esposa. O Fiel Jardineiro não é apenas a história de como a ambição e a ganância de certos homens dominam o mundo. É também uma história de amor: enquanto observamos Justin Quayle assumindo para si a causa que era de sua mulher, percebemos que a esperança sempre existirá e que o amor, realmente, remove montanhas.

John le Carré nasceu em 1931. Estudou em Berna e Oxford, foi professor em Eton e esteve durante cinco anos ligado ao Ministério dos Negócios Estrangeiros, sendo primeiro secretário da Embaixada Britânica em Bona e, posteriormente, cônsul político em Hamburgo. Começou a sua carreira literária em 1961, tendo-se tornado um escritor mundialmente reconhecido com o livro O Espião Que Saiu do Frio, o seu terceiro. A consagração de le Carré deu-se com o excelente acolhimento que teve a célebre trilogia de Smiley: Tinker Tailor Soldier Spy, The Honourable Schoolboy e A Gente de Smiley. Entre os seus romances mais recentes, todos eles assinaláveis êxitos de vendas e de crítica, contam-se O Alfaiate do Panamá, Single & Single, O Fiel Jardineiro, Amigos até ao Fim, O Canto da Missão e Um Homem Muito Procurado.

Entrega de prémios e certificados do Concurso Nacional de Leitura