domingo, 26 de maio de 2013

Livro do mês de maio


Esta é uma saga que irresistivelmente arrasta o leitor ao longo de cinco mundos, vividos e pensados através da obsessiva busca da felicidade que move os seus protagonistas.

Este romance foi concebido polifonicamente com a descrição dos vários modos de viver a amargura que medeia entre o abandono da terra e o retorno ao domínio do que é familiar.

Permitindo leituras muitíssimo subjetivas, este enredo pode constituir-se como uma peregrinação possível em tempos de escassez e de aventura.

 É também uma lição sobre o significado de regresso, que se não limita a perfazer o círculo e constitui uma visão fascinante do Portugal que todos, de uma maneira ou de outra, conhecemos.

Este livro é recomendado pelo Plano Nacional de Leitura para o Ensino Secundário.
 
João de Melo nasceu nos Açores, em 1949. Aos 11 anos, deixa a sua ilha natal para prosseguir os
estudos no continente, como aluno interno do Seminário dos Dominicanos, onde permanece entre 1960 e 1967. Abandonado o seminário, passa a viver em Lisboa, prosseguindo os estudos enquanto trabalha e iniciando colaborações na imprensa escrita. No Diário Popular publica o seu primeiro conto, aos 18 anos. A partir de então publicará contos, crítica literária e poemas em diversos periódicos de Lisboa e dos Açores, integrando-se na geração literária que, sediada em Angra do Heroísmo - e ligada ao suplemento literário do jornal A União - renovou a literatura açoriana contemporânea. A incorporação no exército em 1970 e a posterior ida para Angola, onde permaneceu 27 meses numa zona de guerra, marcá-lo-ão em termos pessoais e literários, sendo tema de vários livros seus, de que se destaca, na ficção, Autópsia de Um Mar de Ruínas, romance que é uma referência na Literatura Portuguesa sobre a guerra colonial. Após a revolução de Abril de 1974, João de Melo licencia-se em Filologia Românica mantendo sempre colaboração em diversas revistas literárias (Colóquio-Letras, Vértice e, mais tarde, Sílex, Ler, etc.). No início da década de 80, torna-se professor do ensino secundário, atividade em que reparte até hoje o seu tempo com a escrita literária
 

Poema do mês de maio

Nau Catrineta

Lá vem a Nau Catrineta,
que tem muito que contar!

Ouvide, agora, senhores,
Uma história de pasmar."

Passava mais de ano e dia,
que iam na volta do mar.
Já não tinham que comer,
nem tão pouco que manjar.

Já mataram o seu galo,
que tinham para cantar.
Já mataram o seu cão,
que tinham para ladrar."

"Já não tinham que comer,
nem tão pouco que manjar.
Deitaram sola de molho,
para o outro dia jantar.
Mas a sola era tão rija,
que a não puderam tragar."

"Deitaram sortes ao fundo,
qual se havia de matar.
Logo a sorte foi cair
no capitão general"

- "Sobe, sobe, marujinho,
àquele mastro real,
vê se vês terras de Espanha,
ou praias de Portugal."

- "Não vejo terras de Espanha,
nem praias de Portugal.
Vejo sete espadas nuas,
que estão para te matar."

- "Acima, acima, gajeiro,
acima ao tope real!
Olha se vês minhas terras,
ou reinos de Portugal."

- "Alvíssaras, senhor alvissaras,
meu capitão general!
Que eu já vejo tuas terras,
e reinos de Portugal.
Se não nos faltar o vento,
a terra iremos jantar.

Lá vejo muitas ribeiras,
lavadeiras a lavar;
vejo muito forno aceso,
padeiras a padejar,
e vejo muitos açougues,
carniceiros a matar.

Também vejo três meninas,
debaixo de um laranjal.
Uma sentada a coser,
outra na roca a fiar,
A mais formosa de todas,
está no meio a chorar."

- "Todas três são minhas filhas,
Oh! quem mas dera abraçar!
A mais formosa de todas
Contigo a hei-de casar"

- "A vossa filha não quero,
Que vos custou a criar.
Que eu tenho mulher em França,
filhinhos de sustentar.
Quero a Nau Catrineta,
para nela navegar."

- "A Nau Catrineta, amigo,
eu não te posso dar;
assim que chegar a terra,
logo ela vai a queimar.
- "Dou-te o meu cavalo branco,
Que nunca houve outro igual."

- "Guardai o vosso cavalo,
Que vos custou a ensinar."
- "Dar-te-ei tanto dinheiro
Que o não possas contar"

- "Não quero o vosso dinheiro
Pois vos custou a ganhar.
Quero a Nau Catrineta,
para nela navegar.
Que assim como escapou desta,
doutra ainda há de escapar"

Lá vai a Nau Catrineta,
leva muito que contar.
Estava a noite a cair,
e ela em terra a varar.
Romance popular - composição poética ligada à tradição oral

domingo, 12 de maio de 2013

O livro da vida de Miguel Real


O livro da vida de Nuno Markl


O livro da vida de Nilton


O livro da vida de Pedro Abrunhosa


O livro da vida de Fernando Pinto Amaral


"O Bom Inverno" de João Tordo


"O Livro" de José Luís Peixoto


Fernando Savater: leitura em escolas


Atividades com as crianças do JI de Santa Comba


sábado, 11 de maio de 2013

Feira das Plantas


A Dr.ª Odete Santos na Biblioteca Escolar na dinamização da palestra "A arte, o artista e a sociedade", inserida nas comemorações do centenário do nascimento Álvaro Cunhal.
 

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Filme do mês de abril

Baseado no romance homónimo de Joanne Harris, este filme relata-nos a história de uma mulher que abre uma chocolataria numa aldeia francesa. A família é constituída apenas por mãe e filha.
A loja de doces, símbolo da tentação e do pecado, vai abalar toda a rigidez, preconceito, hipocrisia e falsa moralidade desta pequena comunidade.
Contudo, no final, os habitantes da pacata aldeia francesa reaprendem a amar, rir e viver com alegria.
Juliet Binoche brilha como protagonista deste filme de 2000,nomeado para 5 Óscares da Academia. Para além de Binoche, o elenco conta com actores, como Johnny Depp, Judi Dench, Lena Olin e Alfred Molina. Um filme deveras saboroso!

Boletim informativo de abril