quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Livro do mês de outubro: "Travessuras da menina má"

Paixão e distância, sorte e destino, dor e prazer... Qual é o verdadeiro rosto do amor?
Ricardo vê cumprido, muito cedo na vida, o sonho que sempre alimentara de viver em Paris. Mas o reencontro com um amor da adolescência mudará tudo. Essa jovem, inconformista, aventureira, pragmática e inquieta, arrastá-lo-á para fora do estreito mundo das suas ambições.
 Criando uma admirável tensão entre o cómico e o trágico, Mario Vargas Llosa joga com a realidade e a ficção para dar vida a uma história na qual o amor se nos revela indefinível, senhor de mil caras, tal como a menina má.





Quando Mario Vargas Llosa nasceu, em Março de 1936, em Arequipa, Peru, os seus pais estavam separados. Fez os estudos de primeiras letras na Bolívia e regressou ao Peru, em 1945, altura em que conhece o seu pai. Aos 17 anos decide estudar Letras e Direito e, no ano seguinte, casa com a sua tia Julia Urquidi, assegurando a subsistência com trabalhos muito diversos, desde conferir e rever os nomes das lápides dos cemitérios até escrever para a rádio ou catalogar livros. Em 1959, abandona o Peru e, graças a uma bolsa, ingressa na Universidade Complutense de Madrid, onde conclui um Doutoramento que lhe permitiu cumprir o sonho de, um ano depois, se fixar em Paris, onde, sempre próximo da penúria, foi locutor de rádio, jornalista e professor de espanhol – tinha apenas publicado um primeiro livro de contos. Regressa ao Peru, em 1964; divorcia-se de Julia Urquidi e casa, no ano seguinte, com a sua prima Patricia Llosa, com quem parte para a Europa, em 1967 (depois de ter publicado A casa Verde, em 1966), tendo vivido até 1974 na Grécia, Paris, Londres e Barcelona – após o que regressa ao Peru. O seu afastamento em relação ao regime de Havana irá marcar toda a sua biografia política e literária a partir de 1971, dois anos depois da publicação de Conversa na Catedral. Em Lima, pode, finalmente, dedicar-se em exclusivo à literatura e ao jornalismo, nunca abandonando uma intervenção política que o levou a aceitar a candidatura à Presidência da República, em 1990. Vive em Londres desde essa época, escrevendo romances, ensaios literários, reportagens e percorrendo o mundo como professor visitante em várias universidades. Entre os muitos prémios que recebeu contam-se o Rómulo Gallegos (1967), o Príncipe das Astúrias (1986) ou o Cervantes (1994). Foi distinguido com o Prémio Nobel da Literatura em 2010.

Cândida Perpétua


Sem comentários:

Publicar um comentário