terça-feira, 23 de junho de 2015

Conto premiado no concurso "Quem conta um conto... ao modo de Saramago?!"


A fome mais mortífera

Algures, num lugar cuja existência é dúbia e até improvável, existia um pequeno país moldado por guerras e conquistas. A governá-lo estava uma jovem feita da mesma matéria, soberana de uma monarquia absoluta, conhecida como a “Devoradora de Galáxias”, nome que lhe fora atribuído pelo povo e a que ela fazia questão de fazer justiça. “Ela podia devorar o mundo e ainda ter fome”, era o que o povo costumava dizer. A rainha tinha fome de sangue e luxo, uma sede insaciável de mais e mais. Tais gostos não saíam baratos a ninguém, especialmente ao povo, que vivia sob a vontade da Devoradora, mas, apesar de tudo, ela era adorada. Parecia ter uma forma muito particular de encantar todos à sua volta e sabia, perfeitamente, como manipular aqueles que de outra maneira se virariam contra ela. Apreciavam o seu “esforço” para ter um país feliz, e apreciavam ainda mais os banhos de sangue que a rainha gostava de organizar. A Devoradora adorava fazer execuções públicas. Essas demonstrações de poder eram algo que lhe dava bastante gozo porque, afinal, haveria melhor maneira de mostrar a sua soberania do que fazer a cabeça dos seus inimigos rolar? E eram muitos, esses inimigos. O povo aplaudia, vibrava com as execuções, esquecia-se de todos os males que o atormentava e gritava por mais. Da sua cadeira, a Devoradora acenava e ria. “Um belo dia para uma execução”, dizia sempre, “não há nada melhor para começar o dia”. Ao seu lado, a sua conselheira acenava ligeiramente com a cabeça, verbalizando uma palavra de concordância e um elogio à rainha. A rainha lançava um olhar à sua criada pessoal, que se limitava a acenar com a cabeça. Que escolha tinham elas, se não queriam acabar com a cabeça dentro de um cesto? Eram belos dias de paz para todos os ignorantes, dias de abundância e sem fome.

Um dia, durante uma dessas execuções, um membro da populaça subiu para junto da guilhotina, dirigindo-se à multidão. Gritava palavras contra a rainha, contra a sua forma de governar e contra o seu estilo de vida. Acusava-a de se alimentar da miséria dos outros, do sangue que derramavam. A rainha revirou os olhos. Aquele não era o primeiro que tentava manchar o seu nome e, certamente, não seria o último. No entanto, ao observar a forma como a pessoa falava e, especialmente, a forma como o povo ouvia, um certo nervosismo pareceu tomar conta dela. Os que costumavam tentar causar problemas não eram tão articulados. A conselheira assegurou-a de que tudo seria resolvido, que era apenas um revolucionário medíocre a tentar arranjar problemas e que não havia razão para se preocupar. A rainha, no entanto, não ficou convencida e ordenou que aquela pessoa fosse imediatamente executada. Antes de os guardas chegarem a ele, este virou-se para a rainha, falando diretamente para ela. Disse apenas uma simples frase: Nós sabemos. A Devoradora fez um ar confuso, perguntando-lhe o que é que ele poderia saber fosse do que fosse. O indivíduo limitou-se a sorrir, fazendo uma vénia. “Longa vida à rainha” foram as últimas palavras antes do carrasco o agarrar e levar para a guilhotina. O sorriso desapareceu dos lábios da Devoradora. A criada e a conselheira apenas observavam, lançando olhares nervosos à sua soberana. A fome da rainha estaria saciada por pouco tempo.

 Este episódio perturbara a Devoradora mais do que ela gostaria de admitir. Apesar dos seus esforços para manter uma certa postura, sabia que a realidade era muito diferente daquilo que aparentava. O reino estava na miséria devido aos gastos luxuosos, e ela estava ciente dos revolucionários prontos a tirar-lhe a coroa ao mais pequeno deslize. Pediu conselhos à conselheira que lhe garantiu que estava tudo sob controlo. A sua criada pessoal apenas observava, calada. A rainha mantinha-a cada vez mais junto de si.

A Devoradora decidiu que precisava urgentemente de se proteger. Os seus inimigos estavam a ganhar terreno e isso não podia acontecer. Decidiu mandar chamar o rei do país vizinho, soberano de um país rico, amigável e, mais importante que tudo, poderoso. Recebeu o rei da melhor forma, com sorrisos amigáveis e boas maneiras. O rei ficou encantado e, quando a hora de fazer o acordo chegou, a rainha estava certa que conseguiria o que queria. Pediu a todos que saíssem, exceto a sua criada. O rei perguntou se não seria melhor esta sair, visto que podia revelar a conversa a terceiros. A rainha riu e assegurou-o que não tinha de se preocupar, tudo o que dissessem não sairia daquelas paredes. A Devoradora apresentou a sua proposta: faziam um casamento arranjado, uniam os reinos, e ambos beneficiavam com isso. Assegurou-o que não era uma questão de amor mas sim de necessidade, ele poderia ter as amantes que quisesse e a única coisa que a rainha pedia era que ele a apoiasse nas suas causas. O rei, para surpresa da Devoradora, não aceitou. Disse que tinha alguém com quem pretendia casar, alguém que realmente queria a seu lado e nem a aliança com a famosa Devoradora de Galáxias o faria abdicar. A rainha ficou furiosa, um sentimento de humilhação a crescer nas suas veias. Como se atrevia ele a recusar termos tão favoráveis? Com o ego ferido, mandou o rei embora e ordenou que fossem buscar a tal rapariga o que rei tanto adorava. A rapariga foi levada à sua presença alguns dias depois e, para surpresa da rainha, não passava de uma simples rapariga do povo.

A Devoradora examinou-a com atenção. A pobrezinha tremia de medo perante ela. Não havia nada de especial nela, não era rica, não era especialmente bonita, nada. Porque é que o rei gostava tanto dela? Porque é que ele preferiria alguém como ela quando podia ter uma rainha? Perguntou-lhe o que fazia dela tão especial e, inocentemente, a rapariga respondeu que não sabia. A resposta da plebeia contribuiu apenas para aborrecer ainda mais a rainha. Virando-se para a sua conselheira, ordenou que a rapariga fosse executada de imediato. A conselheira olhou para a sua rainha, interrogando-a se seria realmente uma boa ideia. Iria provocar uma guerra, uma revolução! O rei nunca deixaria tal coisa passar impune! No entanto, a rainha não quis ouvir. Se ela não podia ter o que queria, então quem a humilhara também não. Ela estava faminta e iria alimentar-se.

 Quando se realizou a execução da rapariga, o povo não aplaudiu. Um borborinho estranho tomou conta da praça quando a multidão murmurava entre si. Até então a rainha tinha apenas executado, pelo menos publicamente, os seus inimigos e os inimigos do país, mas agora virara-se contra os seus, contra uma rapariga inocente. A multidão pareceu aperceber-se da natureza da mulher que se sentava no trono do país em que viviam e, de repente, o peso da reprovação pesou sobre os ombros da rainha. A criada observava-a, calada, vendo nos seus olhos algo que nunca vira: medo. Tudo estava prestes a mudar por causa de um simples ato de egoísmo. O buraco no seu estomago pareceu ficar mais fundo.

 As manifestações começaram não muito depois disso. Parecia que bastara uma pequena faísca para que tudo o que a Devoradora tinha trabalhado tanto para alcançar fosse consumido em chamas e lhe fugisse por entre os dedos como água. Então era isto que os seus súbditos chamavam de retribuição? Ela que fora tão gentil para eles, e agora eles faziam um escândalo por causa de uma simples rapariga morta! Absurdo, pensava ela, cega pelo seu ego, não percebendo que era muito mais do que isso. Estava tudo a vir ao de cima: o estado dos cofres do país, a verdadeira miséria do povo, tudo. A rainha não compreendia como ela tinha mantido tudo em segredo, tudo fechado a quatro chaves. Lembrou-se das palavras do homem naquele dia na praça: “Nós sabemos”. Apercebeu-se que alguém dentro dos assuntos tinha partilhado essa informação, mas agora era tarde demais para fazer fosse o que fosse. Amaldiçoou-se a si própria e à sua estupidez por confiar que a sua fachada duraria para sempre. O povo pareceu aperceber-se das suas próprias condições, que a rainha lhes tinha mentido vezes sem conta sobre o estado do país e que ela era, na verdade, uma tirana faminta de caos e crueldade. Os grupos revolucionários começavam a juntar apoiantes e, juntamente com o exército do rei que a Devoradora tinha ofendido, destruíram os aliados da rainha um por um.

 À medida que os dias passavam, parecia haver mais e mais problemas. Era impossível sair do palácio, era demasiado perigoso. Os revolucionários tinham cada vez mais apoiantes e os que se mantinham do lado da rainha estavam a ser dizimados A sua conselheira tinha fugido, imaginava ela, e os restantes fugiam aos poucos com medo de serem levados quando o castelo fosse tomado pelos revolucionários. Em breve, estava sozinha naquela luta, como um animal ferido e encurralado pelos caçadores.

 Sozinha, sentada no seu trono, a Devoradora pensava. O que podia ela fazer? Por muito que pensasse, não chegava a uma conclusão. Era tarde demais. A sua imagem estava arruinada por causa de um erro idiota, por achar que ainda havia espaço de manobra para os seus caprichos. A sua fome tinha sido o seu pecado. Ao seu lado, a criada, a única que se mantivera do seu lado, mantinha-se quieta, sentada, a observar a rainha. Lá fora, o som dos revolucionários fazia-se ouvir, cada vez mais perto, cada vez mais aterrador. De repente, o som do portão principal a ser arrebentado ecoou pelas paredes do castelo. A Devoradora entrou em pânico. Ela não esperava que eles viessem atacá-la, diretamente, tão cedo. Se a multidão tinha entrado no palácio, já não havia nada que a protegesse, não tinha para onde fugir. Apercebeu-se que estava na hora de fazer alguma coisa se quisesse sobreviver. Fazer algo que já planeara há muito tempo no caso das coisas correrem terrivelmente mal. Agarrou no braço da sua criada e arrastou-a consigo. Levou a rapariga para o quarto e ordenou-lhe que tirasse as vestes de criada. A rapariga, apavorada, obedeceu, revelando a sua cara normalmente coberta pelo gorro que todas as criadas usavam. A Devoradora teve a sensação de estar a olhar para um espelho enquanto examinava a cara da irmã gémea, algo que não via de forma tão clara há muitos anos.

As duas irmãs tinham sido criadas naquele mesmo palácio, mas a Devoradora sempre fora mais favorecida. A deficiência verbal da outra irmã, a sua mudez, fizera com que esta fosse posta de parte toda a sua vida. Fora-lhe dito vezes sem conta que nunca iria governar o reino, que iria viver sempre na sombra da irmã, uma inútil. Fora com essa mentalidade que crescera, e a pobrezinha mantinha-se sempre submissa, sempre sem poder verbalizar os seus pensamentos. Poucos sabiam da sua existência, e os que sabiam pareciam não se importar. Quando os pais morreram e a Devoradora subiu ao trono, foi decidido que a irmã morreria, não de forma literal, mas para que a sua existência fosse esquecida. Os retratos foram queimados e foi anunciado àqueles que sabiam da sua existência que esta tinha morrido de uma febre repentina com o desgosto da morte dos pais. Em breve, fora como se ela nunca tivesse existido. A irmã ordenara-lhe que esta passaria a ser sua serva, que se manteria sempre a seu lado e que nunca mostraria a ninguém quem ela era. A pobre criança não tivera escolha senão aceitar esse estilo de vida, não muito diferente daquele que tinha vivido até ao momento. E agora ali estava, numa situação que talvez tivesse sido planeada desde o início. Um plano B para a rainha.

A Devoradora vestiu as roupas de serva e começou a preparar a irmã. Vestiu-a com o seu melhor vestido, o mais pesado e o mais rico em joias, penteou-lhe o cabelo, preformou-a, maquilhou-a e, finalmente, pôs-lhe a pesada coroa de ouro na cabeça. Estava igualzinha à verdadeira rainha, tirando a expressão de puro terror que lhe contorcia as faces, os olhos esbugalhados, enquanto a realidade da situação pesava sobre si. A Devoradora sossegou-a, passou-lhe a mão na cara suavemente e disse-lhe que tudo acabaria em breve e que nunca mais teria de se esconder, que, finalmente, a sua existência faria sentido, que seria útil pela primeira vez na vida! A gémea chorava desesperadamente, tentando pedir misericórdia, mas, muda, não conseguia dizer uma única palavra. O som dos revolucionários no outro lado das portas do quarto parecia cada vez mais perto, mais raivoso, mais mortífero. A rainha lançou um olhar nervoso para a porta. Por fim, estava na hora. Deu um beijo no topo da cabeça da irmã, os seus lábios um toque suave de afeição fingida e, com um sorriso, sussurrou: “Foi uma boa decisão manter-te por perto”. Num movimento rápido, levantou-se e fugiu para se esconder. No centro do quarto, sentada no chão, a irmã gémea chorava o seu destino. Não havia como fugir, não se podia esconder. Era demasiado tarde, já não havia esperança para ela. Os revolucionários, aos berros, finalmente entraram no quarto brandindo as suas armas e apontando-as à mulher no centro do quarto. À frente dos revolucionários estava a própria conselheira da rainha, brandindo uma arma apontada diretamente à cara da falsa rainha. A rapariga engoliu em seco, a sua garganta áspera, e secou as lágrimas com as costas da mão e, num último gesto de dignidade, levantou a cabeça e sorriu um sorriso digno da verdadeira rainha.

 Na manhã seguinte, uma manhã chuvosa e escura, parecia que todo o reino se reunia no largo da praça da guilhotina. Os mesmos que antes gritavam palavras de apoio à rainha agora gritavam louvores à sua morte, lutando por um lugar na fila da frente da sua execução. A substituta da rainha olhou para as escadas que levavam à guilhotina e desejou que fossem mais altas. Cada passo que dava arrepiava-a até aos ossos, mas não se permitiu ter medo. Quando a conselheira da ex-rainha lhe perguntou quais seriam as suas últimas palavras, ela apenas sorriu. Era doloroso fazê-lo, mas que mais podia ela fazer? Na multidão, as pessoas berravam ofensas. Como era possível que alguém que fizera tanto mal não ter sequer um pedido de desculpas para fazer? A falsa rainha continuou a sorrir, um sorriso trémulo e cheio de dor, perguntando a si mesma porque é que o destino ditara que as coisas fossem assim.

No meio da multidão, a verdadeira Devoradora observava, com um capuz sob o rosto e uma larga capa a cobrir o corpo. Mantinha-se calada, imóvel, apenas observando, como a sua irmã, que agora tinha a cabeça sob a guilhotina, costumava fazer, a sua cara a réplica de uma estátua. O carrasco empurrou a cabeça da falsa rainha para a barra enquanto o tambor que anunciava a sua execução tocava. Ao olhar em frente, o seu olhar cruzou-se com o da verdadeira rainha. Fechou os olhos recheados de lágrimas e deu um último soluço de tristeza. O tambor parou e o silêncio caiu sobre a praça enquanto a lâmina caía sobre o pescoço da jovem mártir. A sua cabeça a cair dentro do cesto produziu um som seco e a multidão gritou de alegria. Estava feito.

 A verdadeira Devoradora suspirou de alívio, ao mesmo tempo que suprimia a vontade de rir. Quem diria que tal plano iria resultar.

Com um pequeno sorriso nos lábios, murmurou para si mesma o que sempre dizia: “Um belo dia para uma execução… Nada melhor para começar o dia.” A Devoradora puxou o capuz da capa mais para cima dos olhos e virou costas à multidão e à guilhotina, à coroa e ao reino que ela tinha construído e corrompido para nunca mais voltar. A sua fome tinha matado, mas não fora ela a vítima.

Andreia Santos, 11º E